Trabalhar no Vale do Silício Sonho ou Pesadelo

Há alguns anos o Vale do Silício ficou conhecido como o Vale da Tecnologia. Foi o berço de grandes avanços. Na carona deste sucesso muitos profissionais sonhavam em trabalhar no Vale dos Sonhos, como o chamam. No entanto, pesquisa mostra alguns pontos contrastantes.

O LinkedIn promoveu um levantamento sobre as empresas mais atraentes de 2016  do Vale. As primeiras colocadas foram Apple, Facebook e Google. Enquanto alguns querem entrar nesse mundo de escritórios com salas de jogos e comida grátis. Outros que já alcançaram este sonho escolhem abandonar o Vale. O motivo mais comum para esta decisão é receber um tratamento injusto.

Os motivos mais comuns para os profissionais de todos os perfis deixarem o emprego foram os seguintes.Tratamento injusto (37%), que apareceu na frente da busca por uma vaga melhor (35%), da insatisfação com o ambiente de trabalho (25%) ou com as obrigações do cargo (22%), e de ser recrutado por outra empresa (19%). Ele também aparece como fator que contribui para a decisão mesmo no caso daqueles que tinham outros motivos principais. Dois terços dos profissionais indicam que teriam ficado na empresa se ela tomasse medidas para melhorar sua cultura.

Os número foram revelados através de um estudo do Kapor Center for Social Impact, realizado com a Harris Poll. Foram entrevistados dois mil profissionais que pediram demissão de empresas do setor de tecnologia ou de empregos da área em companhias de outros setores nos EUA, ao longo dos últimos três anos.

Uma em cada dez mulheres sofreu assédio sexual no emprego mais recente, e os casos de assédio aconteceram com mais frequência no setor de tecnologia do que entre funcionários de empresas de outros setores.

Os pesquisadores identificaram que, em organizações com iniciativas de diversidade, menos profissionais reportaram comportamentos prejudiciais como razão para a saída. Isso só aconteceu, no entanto, em companhias com uma estratégia ampla e profunda, e não apenas medidas pontuais.

A motivação para o estudo

A pesquisa prova que emprego dos sonhos não existe para todos. E que os problemas são os mesmos independentemente do local, empresa, ou remuneração.

Segundo os autores, uma das motivações para o estudo foi investigar as diferentes experiências de ex-funcionários de empresas do setor de tecnologia nos EUA, que têm recebido atenção redobrada quando o assunto é diversidade. Neste ano, o Google e a Oracle foram acusados pelo Departamento do Trabalho dos EUA de ter práticas salariais discriminatória.